Superfície

superficie

Eu te amei mesmo quando as razões para te odiar eram muitas. Mesmo quando o mundo e inclusive suas atitudes me diziam que eu deveria nunca mais me deixar levar pelo seu sorriso. Prometi a mim mesma que eu nunca mais deixaria palavra alguma sua me atingir, que eu nunca mais colocaria meu caminho perto do seu, nem que fosse para tentar chegar o mais perto possível só para ver por onde você estava indo. Eu prometi, mas mesmo assim aqui está você. Dormindo ao meu lado.

Você dorme tão profundamente que não nota meus olhos percorrendo cada detalhe seu. E é incrível perceber que agora eu sei de cada espasmo, do formato do seu peito, com o osso um pouquinho afundado. Você dorme e não nota meu desespero e a minha calma. Eu já não quero mais sair dali, mas ficar nunca foi tão difícil.

É engraçado perceber que por muito tempo quem esteve ali, naquela cama, não era eu. Mas era só olhar para a fronha e saber que, vez ou outra, uma parte de mim sempre esteve ali.  Mas eu nunca estive. Nem mesmo agora. Nem mesmo deitada aqui, do seu lado. Nem mesmo sabendo cada detalhe da sua casa, dos seus gostos, dos seus horários. E agora até sabendo o jeito que você dorme.

Mesmo assim, mesmo com tudo isso, nós não sabemos lidar um com o outro. Eu posso perceber por pequenas atitudes que lá no fundo nós até podemos ser iguais, só que já faz algum tempo que eu cansei de ter apenas evidências. Eu quero aprender a lidar, só que cada vez que ficamos juntos nós nos afastamos cada vez mais.

O que eu sinto agora é apenas a superfície. Nós nos despimos, mas nunca inteiramente. Apesar de eu sentir que nunca fomos tão eu e você quanto agora. Não nós. Aquela necessidade quase devastadora de ter você já não me consome. Agora eu sei que o que eu quero sentir é mais profundo. É a presença. É ter um dos meus lados ocupados, pra eu saber em que direção ir quando eu sentir vontade. Porém é a ausência que eu sinto nesse momento. Você sorri enquanto dorme e eu posso imaginar milhões de motivos, sem nunca saber qual é o certo. Eu quero te perguntar uma porção de coisas simples – um “como vai você?” no meio da semana – mas não consigo.

Eu não quero mais não conseguir, não saber lidar. Não mais só a superfície. Porque a minha superfície é dura, quieta. Uma fortaleza. Tudo isso só para proteger um coração inquieto, frágil e que gosta de gritar às vezes. E se a mente eu já consegui controlar, é esse coração que eu pretendo acalmar. Mas isso só se faz lá, no interior.

Já quis te escrever mil cartas, porque você sabe que eu sou muito melhor no papel. Só que alguma coisa aí parou aqui. Alguma coisa na sua superfície não me deixa saber o que se passa enquanto você acaricia meu cabelo ou beija minhas costas. Sei que nossas superfícies estão aqui, mas e aí dentro?

Sei também que estou querendo respostas sem fazer as perguntas. Mas algo aqui dentro sempre impede o que está fora. Ou seria ao contrário? Eu não sei. E é por isso que eu estou aqui, atônita, vendo você dormir. Eu não aprendi a lidar. Eu não sei lidar e isso me desespera. Tira todo o equilíbrio que eu conquistei.

Eu só não te enviei uma carta porque eu sei que não teria resposta. Se você soubesse que eu já escrevi mil delas, que a minha fortaleza esconde tudo isso e eu só fujo pra superfície porque é lá que eu sei respirar… Você saberia lidar?

Anúncios

One thought on “Superfície

  1. Igor Néder Lopes (@netherlopes) diz:

    Tem coisa que a gente sente uma vez pra jamais sentir novamente. É como uma fase em um jogo de vídeo game que cê fica dias, em vezes meses tentando passar. Até que, com os dedos já calejados, você passa a fase e algumas coisas deixam de fazer sentido enquanto outras começam. Essa angústia inconstante, esse vai e vem sem sentido um dia vai te fazer entender muita coisa. Ou não. Mas o importante mesmo é que vai passar e talvez você nem se dê conta disso. Eu não sei lidar, mas acho que é exatamente esse meu não saber que me faz pegar o caminho contrário e sair da casca, da superfície diária, justamente pra mergulhar fundo na profundidade que é de onde vem as melhores coisas da vida. Mergulhe querida, e sem tubo de oxigênio, porque sei que aí dentro tem um tesouro imensurável que só você é capaz de cuidar da maneira correta enquanto não encontra gente com capacidade válida e suficiente pra isso.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s